viasdefato.com

Direito e Tecnologia da Informação

O sucesso independe das cópias falsas

Posted by Samuel Cersosimo em 13 dezembro 2008

A luta da indústria cinematográfica contra a pirataria digital é feroz e poucos são os que nunca passaram pela vinheta enfadonha colocada antes dos trailers no cinema. Elas alertam que tal prática é crime, principalmente cometida, a julgar pelas imagens, por meninas adolescentes que usam moletons com capuz.

A teoria óbvia é que quem baixa um filme não vai querer gastar dinheiro para ir ao cinema ver o mesmo título novamente. Como bem lembrou o blog Techdirt (www.techdirt.com), o único caso citado pela MPAA (Motion Picture Association of America), ponta-de-lança da indústria no combate à pirataria, é Hulk. O filme vazou na internet antes do lançamento oficial e foi impiedosamente criticado por jornalistas e fãs, tachado de péssimo e pouco digno do personagem dos quadrinhos.

Segundo a mesma lógica, isso minou qualquer chance de o filme ganhar algum dinheiro nos cinemas. O lançamento foi um fracasso. É curioso que os executivos da indústria não tenham feito nenhuma ligação entre a qualidade do produto e a arrecadação.

Agora, Batman – O Cavaleiro das Trevas subverte essa lógica. Primeiro, porque chegou perto de quebrar recordes históricos de bilheteria, tendo ultrapassado os 960 milhões de dólares de arrecadação mundial. Pela ótica da indústria, isso só foi possível pelo trabalho feito para impedir que o filme chegasse às mãos dos piratas. Em julho, dias após a estréia do filme, um homem foi preso enquanto tentava usar sua filmadora dentro de um cinema. Ainda assim, outra versão filmada e de qualidade péssima chegou à internet no mesmo dia e isso não impediu a quebra de recordes conseguida nos cinemas.

A principal falha do discurso da indústria é que o excelente filme fez sucesso, apesar de ter sido o mais pirateado em 2008, segundo dados do site TorrentFreak (www.torrentfreak.com).

(…)

A pirataria é crime, mas O Cavaleiro das Trevas eh um exemplo importante de que a prática não é a principal responsável pela eventual queda nas arrecadações dos cinemas ou por vendas menores de DVDs nas lojas. Um filme baixado não se traduz em uma pessoa ou uma família a menos sentada em um cinema, ou um DVD não comprado. O que importa é a qualidade do produto. Se os estúdios se preocuparem um pouco com o que é mostrado nas telas, quem sabe fiquem mais felizes com o balanço no final do ano.

Fonte: Felipe Marra Mendonça, Carta Capital, Edição Nº 525, datada de 10/12/2008.

Muito boa essa matéria do Felipe Mendonça, na Carta Capital. Revela o quanto é hipócrita o discurso da indústria do cinema contra a pirataria.

3 Respostas to “O sucesso independe das cópias falsas”

  1. André B. said

    Concordo em parte! Seria simplório demais chegar a mesma cloncusão da matéria apenas com os exemplos, por ele, elencados. Aluta que se segue desde os anos 90 contra a pirataria se parece muito com a briga dos grande laborátorios com os governos sedentos pela quebra das patentes. Como estimular grandes avanços na ciencia, se não estimularmos financeiramente quem produz? Qual será seu interesse em gastar milhoes em pesquisas, se no final, não haverá retorno financeiro!? Digo o mesmo para o ramo cinematográfico. Existem péssimas produções! Não dúvida sobre isso. Mas, com certeza, não é o principal motivo pela queda de faturamento dos grandes estúdios! A pirataria é de longe o que mais aflige tanto o setor cinematográfico, como também o fonográfico. Decisoes intgeligentes como a apple store e amazon store, os quais, vedem apenas faixas por um preço muito mais razoável, são um grande avanço contra a pirataria! É sabido que realmente há uma grande disparidade entre o valor de cobrado e o valor que o público se dispoe a pagar. Lobby! Cotas de meia-entradas! Mas, ainda assim, a pirataria é o principal vilão da história.

  2. Samuel Cersosimo said

    Olá André. Obrigado por entrar na discussão.

    Não consigo ver a pirataria como “vilão da história”, mas sim como uma manifestação cultural (aqui estou falando da pirataria digital) contra um modelo de direitos autorais falido e insustentável diante dos avanços tecnológicos.

    É preciso ver com mais senso crítico as atuais campanhas anti-pirataria. Enquanto ficamos nessa guerra (perdida), estamos deixando de ver a incrível oportunidade que surge através da produção colaborativa do conhecimento. Veja esse vídeo sobre o tema.

    Infelizmente (ou felizmente), os meios de se obter lucro com a produção intelectual terão de se reinventar. Inclusive, tá aí uma coisa na qual o Capitalismo é muito bom: se reinventar.

    O que não podemos é nos iludir achando que as pessoas vão pagar R$30,00 num CD com 10 músicas, quando podem obter 1000 músicas de graça pela Internet. Imagine se, na época em que os PCs se popularizaram, alguém fizesse campanha para impedir que as fabricantes de máquina de escrever fossem à falência… é quase o mesmo que se tenta fazer hoje com a indústria do CD.

    As iniciativas que vc citou (apple e amazon) são válidas sim, mas precisam realmente trazer alguma vantagem para o consumidor, algo que supere os sites de torrent etc.

  3. Rodrigo Salazar said

    Samuel, Parabéns pelo blog, pelas informações e opiniões. Um grande Abraço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s